sexta-feira 25 de setembro de 2020

Roleta humana e rasteira – ‘brincadeiras’ viram moda em escolas e podem até matar

Com a recente volta às aulas, duas “brincadeiras” de mau gosto nas escolas  do Brasil chamam a atenção e deixam os pais em alerta. Os vídeos mais recentes que circulam nas redes sociais mostram estudantes adolescentes derrubando os outros colegas de costas, com uma rasteira. A “brincadeira”, segundo especialistas, pode causar lesões, desmaios, traumatismos cranianos e levar até mesmo à morte.

A outra “brincadeira” é de novembro do ano passado e voltou a circular agora nas redes sociais. Ela ficou conhecida como “roleta humana”. Nela, a pessoa é girada como uma roleta e bate a cabeça no chão. Uma estudante de 16 anos do Rio Grande do Norte morreu nesse desafio em novembro do ano passado.  

Rasteira 

Em um dos vídeos mais recentes aparecem estudantes do Colégio Marista. Nas imagens, duas meninas dão um pulo e incentivam uma colega, que fica no meio, a pular depois. Quando a terceira aluna dá o pulo sozinha, as outras duas que já pularam a derrubam, chutando cada um dos seus pés, dando uma rasteira. A vítima fica sem defesa e cai totalmente de costas. Em todos os vídeos os estudantes que provocam a queda riem bastante.

“Brincadeira” pode matar 

Para especialistas a brincadeira não tem nada de engraçado e pode causar lesões muito graves. “Fiquei chocado com esse tipo de ‘brincadeira’. São bem diferentes das brincadeiras da minha época de infância. Não tem nada de sadio e o risco de traumatismo cranioencefálico (TCE) é imenso, pois os participantes caem no solo com choque direto da parte posterior do crânio sem chances de defesa ou reação. Seguramente, os riscos de lesões no crânio são imensas”, alerta o ortopedista Octacílio da Matta. 

Para o ortopedista, a chance de morte é alta. “A consequência mais severa seria a morte por traumatismo cranioencefálico. As lesões no traumatismo cranioencefálico variam de acordo com as áreas atingidas, podendo ficar sequelas, tais como dificuldade para caminhar, falar, enxergar e ouvir, além de trazer dificuldades para movimento com os membros superiores e inferiores”.

O que diz a escola

O Colégio Marista, em que estudantes aparecem em um dos vídeos fazendo a “brincadeira”,disse que iniciou nesta semana um trabalho de conscientização em sua comunidade acadêmica sobre os riscos da atitude perigosa considerada uma  “brincadeira” por alguns jovens e que vem sendo praticada e divulgada na web.

“Por meio de suas equipes pedagógicas, a Instituição tem promovido reflexões com os alunos, durante o período de aulas, sobre as consequências da atitude, que coloca em risco a integridade física dos seus participantes. Além das medidas preventivas, a Instituição reitera estar atenta aos movimentos em sua comunidade e em relação ao vídeo com alunos de uma de nossas unidades, informa que todos já foram orientados com suas respectivas famílias”, informou. 

Fonte – O TEMPO

Comentários desativados