domingo 15 de dezembro de 2019

Vale suspende temporariamente o depósito de rejeito na barragem de Laranjeiras

A Vale comunicou ontem (02/12), às Prefeitura de Barão de Cocais e São Gonçalo do Rio Abaixo que elevou para o Nível 01 a Barragem de Laranjeiras que fica no distrito de Cocais.

De acordo com o comunicado está suspensa a disposição de rejeitos no local por pelo menos dois meses.

Importante ressaltar que a elevação de qualquer barragem ao “nível 01 não requer nenhuma evacuação da população, sendo um protocolo usual exigido pela legislação.”

A Vale informou ainda que mina de Brucutu deverá operar com cerca de 40% de sua capacidade total por meio de processamento a úmido com rejeito filtrado e empilhado.

Essa nova rotina empenhada deverá impactar na produção em cerca de 1,5 milhão de toneladas de minério de ferro a menos por mês.

Importante ressaltar que no comunicado distribuído pela Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo não é citado nada sobre trincas ou rachaduras no local, apenas se informa a nova situação.

Nota da Vale

A Vale informa que tomou a decisão de suspender, de forma temporária, a partir de hoje (02/12), a disposição de rejeitos na barragem Laranjeiras, advindos da mina de Brucutu, enquanto conduz avaliações sobre as caraterísticas geotécnicas da barragem. Durante a paralisação, a barragem adotará o protocolo de emergência em Nível 1, de acordo com a Agência Nacional de Mineração (ANM), que não requer evacuação da população a jusante. A barragem Laranjeiras teve sua Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) emitida em 30 de setembro de 2019, que permanece válida.

No período em que a disposição de rejeitos estiver suspensa, estimado entre 1 e 2 meses, a usina de Brucutu irá operar com cerca de 40% de sua capacidade por meio de processamento a úmido com rejeito filtrado e empilhado, sendo o impacto estimado da paralisação temporária em, aproximadamente, 1,5 milhão de toneladas de minério de ferro por mês.
Esta suspensão temporária não altera o guidance de vendas de minério de ferro e pelotas, que permanece em 2019 e no 4T19 entre 307 – 312 Mt e entre 83 – 88 Mt, respectivamente. No entanto, para o 1T20, a expectativa é de que produção e vendas fiquem entre 68 – 73 Mt, em função da sazonalidade, do retorno gradual e seguro das operações e em linha com a estratégia de margem sobre volume.

Adicionalmente, a Vale informa que reapresentará, oportunamente, o item 11 de seu Formulário de Referência, no prazo previsto na Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009, conforme alterada.

Comentários desativados